Google+ Followers

sexta-feira, 19 de julho de 2013

DIABETES MELLITUS, VOCÊ SABE O QUE É?


Trata se de um grupo de doenças do metabolismo caracterizada por hiperglicemia. A diabetes mellitus está associada à disfunções e insuficiência de vários órgãos: os rins, olhos,nervos, cérebro,coração e vasos sanguíneos.

Segundo especialistas, pode causar defeitos de secreção e ação da insulina, destruição das células beta do pâncreas, entre outros.
Estima se que em 1995 4,0% da população mundial adulta foram atingidas pela doença e que em 2025 alcançará a cifra de 5,4%. A maior parte deste aumento se acentuará nos países em desenvolvimento concentrado em pessoas na faixa etária de 45 a 64 anos.
No Brasil, ao final da década de 1980 a doença atingiu 8% da população de 30 a 39 anos de idade.  Hoje, 11% da população igual ou superior a 40 anos sofre da doença.
Os diabetes apresenta alta morbi-mortalidade, com perda significativa na qualidade de vida. 

Quando o paciente não faz o controle médico periódico e não segue a dieta prescrita, quando ele não se conscientiza que precisa de buscar novos hábitos de vida em busca de uma melhor qualidade de vida, ele está sujeito a insuficiência renal, amputação de membros inferiores, cegueira e doença cardiovascular, etc.
A saúde pública tem como prioridade a prevenção dos diabetes e suas complicações em virtude da elevada carga de morbi-mortalidade associada.

A prevenção é feita por meio fatores de risco para diabetes, entre eles: o sedentarismo, obesidade, hábitos alimentares não saudáveis, identificação de tratamento de pacientes de alto risco para diabetes, de casos não diagnosticados de diabetes para tratamento e intensificação de controle de pacientes já diagnosticados. 

O objetivo de todo este acompanhamento é a prevenção de complicações agudas e crônicas.
O papel da família do paciente  com diabetes neste processo de tratamento é fundamental, especialmente para ajudar o paciente a mudar os hábitos da sua maneira de viver, uma vez que tal mudança está diretamente ligada à vida dos seus familiares e amigos.
O paciente com diabetes precisa aprender a gerenciar sua vida aos poucos em um processo que vise uma qualidade de vida melhor e autônoma.